Aprenda a não comprar por impulso

Por

11 / 12 / 2013

A jornalista Lilian Bastos já aprendeu boa parte das dicas de como andar na moda sem estourar o orçamento. Para ela, além de manter a saúde da sua conta bancária, não lotar o armário de roupas que mal vai usar é uma atitude sustentável. “Compro menos e melhor”, conta. “Parei, por exemplo, de ficar andando à toa em lojas de departamento. Isso me fazia comprar pelo preço e não pela qualidade ou porque gostei mesmo da roupa”. 

Mas Lilian é uma exceção, esclarece o educador financeiro Reinaldo Domingos. Para ele, o brasileiro não sabe fazer compras: "Está em uma pesquisa recente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL): 47% dos entrevistados admitiram ter comprado produtos que nunca usaram”, conta. 

Com um guarda-roupa lotado e contas cada vez mais altas, a funcionária pública Fabiana Ishikawa reclama que está sempre comprando roupas e “nunca tem nada para vestir”. “Preciso estar arrumada para o trabalho, que é formal, e gosto de me produzir para sair, mas abro o armário e sempre acho que não há nada para usar”.

Se essa sensação de nunca ter roupa também é o seu problema, a produtora de moda e consultora de imagem Inês Martins aconselha comprar menos e se conhecer mais. “Respeite o seu biotipo e saiba qual é a imagem de si quer transmitir. Não leve porque está na moda ou achou lindo em uma amiga”.

Ainda assim é difícil comprar o que realmente vai usar? O educador financeiro lança um teste: priorize as compras à vista e faça as seguintes perguntas: 


• Eu realmente preciso desse produto? 

• O que ele vai trazer de benefício para a minha vida? 

• Se eu não comprar hoje, o que acontecerá? 

• Estou comprando por necessidade ou movido por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima? 

• Estou comprando por mim ou influenciado por outra pessoa ou por propaganda sedutora? 


Se mesmo diante deste questionamento, concluir que realmente precisa levar o produto, seria bom pensar também: 


• 
De quanto eu disponho efetivamente para gastar? 

• Tenho o dinheiro para comprar à vista? 

• Precisarei comprar a prazo e pagar juros? 

• Tenho o valor referente a uma parcela mas o terei daqui a três, seis ou 12 meses? 

• Preciso do modelo sofisticado ou básico? O mais em conta atenderia à minha necessidade?