Seguro odontológico: o que é e como funciona

Por

12 / 4 / 2016

A maioria dos brasileiros quando acorda vai direto escovar os dentes. Isso mostra que a saúde e higiene bucal são duas preocupações de quem vive por aqui.

De acordo com pesquisa recente apresentada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), quase metade dos brasileiros procurou por um dentista nos doze meses que antecederam a pesquisa, feita com dados de 2013. Isso comprova que os brasileiros estão mesmo dispostos a investir dinheiro quando o assunto são os dentes.

A questão é que: será que realmente vale a pena pagar separadamente cada visita ao dentista? Ou existe outra saída para diminuir esse gasto? A resposta é que hoje em dia existe um serviço chamado Plano Odontológico, que pode ser uma ótima opção para muitos brasileiros.

Mais acessíveis e populares nos dias de hoje, eles são oferecidos por diversas empresas, no geral, as mesmas que oferecem os planos de saúde. Assim fica mais fácil escolher um plano que se encaixe de acordo com as suas necessidades. Algumas oferecem até desconto para os clientes que optarem por ter os dois serviços unificados.
 

SETA.png Como funciona o seguro odontológico?

Ele funciona de maneira bem parecida com os planos de saúde, que já são bastante conhecidos. Ao contratar um plano e assinar o contrato, um cartão é enviado à residência do cliente.

Ao marcar uma consulta, é preciso levar a carteirinha e algum documento de identificação com foto. Cada operadora tem uma série de clínicas, laboratórios e consultórios dentários credenciados, que o contratante pode utilizar.

Antes de contratar, faça uma boa pesquisa e escolha o que mais se adequa ao seu perfil, necessidades e, claro, que caiba no orçamento. As opções são bem variadas, desde individual, passando por coletivo e até empresarial. Assim como o plano de saúde, o que é mais benéfico ao bolso é o plano empresarial, por isso se a sua empresa oferecer esse benefício, a adesão será um bom negócio.

Outro passo importante é saber distinguir quais são as suas necessidades dentre todos os tipos de serviço que são oferecidos. Você vai usar o seguro para fazer o quê? Apenas para consultas de rotina ou precisa de uma cirurgia bucal?

Responda essas perguntas para saber se fazer o seguro vai te fazer economizar de verdade. Por exemplo: se for usar apenas para acompanhamento e manutenção da saúde bucal, veja qual é o valor de cada consulta e quantas vezes por ano é necessário comparecer ao dentista.

Visto isso, qual será o valor mensal do plano odontológico? Vai sair mais barato mesmo? É preciso ter em mente também que outros problemas podem aparecer, e será preciso também pagar por eles, e o seu seguro odontológico pode cobrir muitos deles.

E por fim, faça uma vasta pesquisa sobre a seriedade da operadora. Antes de contratar veja se é de confiança, procure por opiniões de outros clientes. Essas informações são facilmente encontradas na internet.


SETA.png Plano odontológico vale a pena?

Essa pergunta somente pode ser respondida de acordo com a necessidade de cada um. É preciso colocar na ponta do lápis quais serviços irá usar e quanto custaria se você fosse pagar por eles individualmente.

É importante levar em consideração também o que é chamado de período de carência, que nada mais é que o tempo que os novos contratantes devem esperar para iniciar o uso do plano.

Quem define os prazos de carência do seguro odontológico é a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e cada procedimento tem um tempo mínimo para que possa ser utilizado em um novo plano. Esses prazos vão desde 24 horas para serviços de emergência até 180 dias para a colocação de próteses.


SETA.png Qual a cobertura do seguro odontológico?

Os procedimentos que fazem parte dos planos odontológicos também são definidos pela ANS. Da mesma forma como os planos de saúde, existem várias categorias de seguros odontológicos, porém, existem uma gama mínima de serviços determinados que devem ser oferecidos por todos os planos.

E essa já pode até ser uma forma que você tem de saber se a operadora realmente é honesta. Muitas fazem parecer que esses serviços obrigatórios são adicionais, como se estivessem no pacote como algo a mais, quando na verdade a ANS decreta que eles devem ser oferecidos em todos os planos

Quanto aos procedimentos estéticos, nem todos os planos cobrem esses serviços. Há também uma variedade mínima de procedimentos estéticos que devem ser oferecidos quando se contrata um seguro odontológico. Clareamento dental e aparelho ortodôntico são exemplos de serviços não oferecidos.

Os planos se estendem apenas a procedimentos de endodontia, exames, periodontia e alguns tipos de cirurgia dentária. Alguns raros planos oferecem cobertura a determinados procedimentos estéticos, porém esses são os planos mais caros. Além disso, aqueles que não tem esse tipo de cobertura podem oferecer descontos em serviços estéticos. Por isso, se acha que vai ser uma necessidade, opte por aqueles que cobrem ou procure os que oferecem desconto.


SETA.png Planos dentários suspensos pela ANS

Com certa frequência a ANS monitora as operadoras de planos de saúde, assim como as de planos odontológicos. Por isso, assim que escolhido o plano, dê uma olhada no site e confira a lista dos planos que não podem mais serem comercializados.

No site da ANS também é possível sanar dúvidas a respeito dos planos, como reajuste de preços, quais serviços obrigatórios os planos devem cobrir e até mesmo realizar reclamações caso se sinta lesado como consumidor.

Dicas MoneyGuru: antes de contratar um plano dentário, coloque na ponta do lápis todas as suas necessidades, o valor que pode pagar por mês parar, assim, descobrir qual é o melhor plano odontológico para o seu perfil.